Desapego - Organizar Transforma

Desapego: por que é tão difícil

Tanto o processo quanto o resultado da organização fazem bem para a mente, já que aumentam a produtividade e têm efeitos até na melhora do humor. Então, fica a pergunta: por que é tão difícil organizar e colocar o desapego em prática, se viver em um ambiente organizado é tão incrível?

Responder esta pergunta não é tão simples e exige uma reflexão individual profunda sobre seus hábitos, consumo e mentalidade. É preciso entender que a organização e o desapego são uma jornada intensa de autoconhecimento baseada em quem você é hoje, no momento presente.

Quer entender melhor? Então, te convido a vir comigo conhecer um pouco sobre a minha experiência e se inspirar para praticar o seu próprio desapego.

A jornada de desapego e organização

Para falar do desapego, vale destacar o que é apego antes. No dicionário, a definição de apego é “sentimento de afeição, ligação afetiva ou dedicação permanente e exagerada a algo”. Só por aí já se pode ter uma ideia de que o apego estabelece certa dependência emocional que nem sempre é positiva.

Embora muita gente acredite que organização tem a ver com estética, ou apenas seja a possibilidade de encontrar um espaço viável para tudo o que se tem em casa, na verdade, o processo é muito mais profundo.

Dessa forma, o desapego na organização está muito mais relacionado a uma “faxina” emocional do que meramente uma limpeza física. E posso dizer isso com muita propriedade e segurança, pois já fui extremamente apegada aos meus pertences e passei por uma jornada de autoconhecimento e desapego muito transformadora.

Para vocês terem uma ideia da minha dificuldade em desapegar, eu tinha caixas e caixas de recordações. De “cartinhas” de amigas e familiares a comprovantes bancários, de fotos a ingressos de cinema e de shows.

Um pouco da minha “jornada de desapego”

Por isso, aproveito para contar um pouquinho da minha própria experiência antes de continuar com esse post. Antes da minha primeira filha nascer, essas caixas ocupavam um grande espaço em meu armário. Eu tinha pastas, fichários, álbuns, lembrancinhas… Eu guardava tudo que remetesse a uma situação que já tinha vivido.

Mas por quê? Era uma espécie de “comprovação” sabe? Eu pensava na possibilidade de um dia querer reviver, relembrar de amigos e pessoas que já se foram. Mesmo tendo deixado muita coisa na casa dos meus pais, foi quando a minha primeira filha nasceu que eu precisei liberar espaço para as coisas do bebê.

Nesse momento, comecei a otimizar ainda mais os espaços: era impressionante como quanto mais eu otimizava meus espaços, mais coisas cabiam em cada lugar.

Depois do nascimento do meu segundo filho, a questão do espaço ficou ainda mais crítica: os acessórios, roupinhas e brinquedos precisavam ser armazenados de uma forma funcional e acessível. Foi então que, mesmo me considerando alguém muito organizada, eu busquei me especializar no assunto organização.

E para minha surpresa, percebi que esse foi um processo muito mais leve do que eu imaginava. Muito mais interno do que externo. Não tinha a ver com meramente com otimizar os espaços e armazenar os itens que eu tinha em casa. Foi uma jornada! Então, antes de começar a praticar o desapego, é preciso entender os motivos da dificuldade de desapegar.

O motivo da dificuldade de desapegar

Não é fácil desapegar, afinal, para dar o primeiro passo é preciso confrontar todo aquele material que você escondeu no fundo do baú: você vai “ver o seu passado todo passar por você”, como diz a música.

Em minhas primeiras limpezas para organizar, eu chorava ao ver cartas que me lembravam alguém que já se foi, me emocionava com acontecimentos de alguém que eu era e não sou mais. Porém, com o passar do tempo, o processo vai ficando mais fácil. Você vai se empolgando com a leveza interior que essa limpeza proporciona, além do espaço físico que você descobre ter em casa.

Assim, o processo de desapego é muito mais afetivo do que apenas liberar espaço em casa: é uma a decisão que precisa partir de dentro para fora, porque trata-se muito mais de uma organização emocional.

Resumidamente, guardar todas essas coisas simboliza ter muito apego ao passado, o que pode te impedir de viver o presente e programar o futuro. Por outro lado, você não precisa jogar fora tudo o que for relativo ao seu passado. Neste caso, o desafio é saber dosar.

Então, como praticar o desapego?

O desapego é um processo completamente íntimo e individual. Por isso, o primeiro passo para praticar, é perguntar a si mesmo a real necessidade de ter determinado item guardado.

Fora isso, você precisa estar pronto e preparado para o processo de escolhas. Precisa praticar. É preciso primeiro organizar as demais categorias da casa, para depois estar apto a lidar com os itens emocionais. Se você pular essa etapa provavelmente se machucará e não conseguirá finalizar seu processo.

Mais um ponto importante: você precisa evitar guardar objetos pensando que talvez eles possam ser úteis, porque você não sabe como será o seu futuro. Além disso, quando esse momento chegar, você pode ser uma outra pessoa, com outras prioridades e preferências.

Assim, o desapego tem tudo a ver com focar no presente. Então, organize sua casa e seus pertences de acordo com quem você é hoje.

Por isso, evite pensar em adquirir ou guardar itens que não façam sentido para quem você é, apenas porque você viveu aquilo. Da mesma forma, evite guardar pensando no que você quer ser ou fazer daqui a 1, 10 ou 20 anos. Assim, o maior segredo para saber o que manter é focar nos pertences que são úteis para você agora e que te fazem feliz no momento atual.

Benefícios do desapego na organização

Mesmo sendo um processo trabalhoso e até doloroso no início, o desapego oferece uma série de benefícios! Com ele você terá:

Mais liberdade

A liberdade será resultante do desapego emocional e material. Com a primeira, você vai sentir que a ligação com o passado é positiva, sentirá mais gratidão pelo que aconteceu e com tudo o que permitiu que você se tornasse quem é hoje. E com a segunda, você poderá receber o presente com tudo o que ele pode trazer para você de braços abertos.

Mais leveza

Você se sentirá mais leve, tanto interna quanto externamente. Você vai sentir a recompensa do processo, que permite que você repense tudo o que tem e, quem sabe, resolva situações pendentes. Em casa, você terá menos bagunça para lidar e muito mais espaço livre.

Mais espaço

O espaço físico permite que você reorganize e saiba onde está cada item. Além disso, o processo vai facilitar a análise do que você já tem, a relevância de cada elemento e o que você precisa adquirir.

Ao arrumar suas roupas, por exemplo, você pode perceber que tem mais camisas sociais do que calças, porém costuma usar mais calças. Faz mais sentido investir neste último item e doar camisas que não servem mais.

E então, você tem dificuldade de praticar o desapego? Conta aqui pra gente nos comentários! E se você gostou desta leitura, aproveite para acompanhar nosso blog e redes sociais e ficar sempre inspirado a transformar sua casa e ter uma vida muito mais organizada!